Portal Correio do Agreste - A serviço do povo!

Pé de moleque: conheça a origem e aprenda 4 variações do doce

O nome da iguaria feita de rapadura e amendoim surgiu no Brasil colonial, quando meninos surrupiavam o doce de quituteiras, que gritavam: “Pede, moleq
Pé de moleque: conheça a origem e aprenda 4 variações do doce
A origem do pé de moleque vem dos tempos de Brasil colonial (Foto: Elisa Correa/Editora Globo | Iara Venanzi/Casa e Comida)

OUVIR NOTÍCIA

Imagine a cena: nas ruas do Brasil colonial, quituteiras vendem uma iguaria feita de rapadura e amendoim. Quando elas se distraem, moleques danados passam correndo e surrupiam um quitute. Para dizer que não é preciso roubar, as mulheres gritam: “Pede, moleque, pede!”. Assim foi batizado o nosso pé de moleque, um clássico que surgiu no Brasil em meados do século 16, com a chegada da cana-de-açúcar à Capitania de São Vicente.

doce não era assim uma baba de moça, ou seja, o favorito da elite. Era pop entre os pobres e inicialmente conhecido por quebra-dentes ou quebra-queixo. Para explicar a mudança de nome, além da versão acima, há outras duas hipóteses, ambas relacionadas aos intrépidos moleques de outrora. Uma delas vem da semelhança entre a aparência do doce e os pés dos meninos que viviam descalços na rua. A outra explicação relaciona o visual da guloseima ao calçamento colonial de pedras irregulares, que levava e ainda leva o nome de pé de moleque – que, por sua vez, faz referência aos pezinhos pouco delicados da molecada.

Onde encontrar o melhor pé de moleque do Brasil? Anote: Piranguinho, pequena cidade no sul de Minas Gerais, que leva o título de Capital Nacional do Pé de Moleque.

Essa história começou em 1936, graças à mulher do chefe da estação de trem local. Para ajudar no orçamento familiar, Matilde Cunha Torino passou a vender doces na janela de casa. Por sugestão da filha, Alcéa, ela resolveu também fazer um docinho de amendoim com rapadura para oferecer no trem. Colocaram então – olha ele de novo – um moleque com uma bandeja vendendo nos vagões. “Às vezes, não dava tempo para sair do trem, e ele ia parar em Itajubá”, conta rindo a neta de Matilde, Sônia Regina Guedes Torino, que hoje comanda o negócio.

Acontece que a estação acabou. Alcéa, então, montou barraca na estrada e pintou de sua cor preferida, vermelha. Assim nasceu a Barraca Vermelha, que fez a fama do pé de moleque de Piranguinho. Entre os ilustres fãs, Sônia cita o poeta Carlos Drummond de Andrade, que definiu o pé de moleque como “a pura joia mineira”, em carta a Alcéa.

E os moleques que vendiam nos vagões de trem? Pois cresceram e acabaram virando funcionários na fábrica da família.

Se quiser sentir um gostinho dessa história e se deliciar com um delicioso pé de moleque, veja a seguir 4 variações do doce. Para acessar o preparo completo, basta clicar no título ou na foto de cada receita.

Pé de moleque (Foto: Elisa Correa/Editora Globo)

Com tempo de preparo de apenas 20 minutos, a receita de pé de moleque da famosa Barraca Vermelha é muito simples de fazer e rende, em média, de 27 a 30 doces. O doce é uma ótima pedida para o chá da tarde e até para um lanchinho da noite.

 

Trança pé de moleque (Foto: Iara Venanzi/Editora Globo)

Quer se desafiar na cozinha para preparar uma sobremesa deliciosa? Então a receita de trança pé de moleque, da chef Juliana Pascal, da La Gioia, pode ser uma boa opção para você. O doce mistura o sabor do pé de moleque com a textura de um pão fofinho, servindo perfeitamente para o lanche da tarde. Rende quatro unidades e tem um tempo de preparo de quatro horas.

 

3. Pé de moleque e cocada branca

Pé de moleque e cocada branca (Foto: Iara Venanzi )

Um bom acompanhamento para o pé de moleque é a cocada branca. A receita do restaurante Dalva e Dito é combinação perfeita de brasilidades e sabores deliciosos. Rende 350 g de pé de moleque, demorando uma hora para ficar pronto, e 500 g de cocada, que leva 30 minutos de preparo.

4. Bolo de pé de moleque

Bolo pé-de-moleque (Foto: Sérgio Pagano/ Editora Globo)

Se você ama esse doce e quer levar seu sabor para o próximo nível, então experimente o bolo de pé de moleque, sugerido pela boleira Stella Pellegrini, do Bolo sem Vergonha. A sobremesa é uma explosão de sabores, com cobertura de chocolate e amendoim. A receita rende 14 fatias e demora 40 minutos para ser preparada.

 

Fonte

revistacasaejardim

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

BRASIL
PM é acusado de violência excessiva ao pisar em pescoço de mulher negra em SP
PM é acusado de violência excessiva ao pisar em pescoço de mulher negra em SP
VISUALIZAR
Acidente
Carro a gás natural explode durante abastecimento
Carro a gás natural explode durante abastecimento
VISUALIZAR
BRASIL
Estatuto da Criança e do Adolescente completa 30 anos nesta segunda (13)
Estatuto da Criança e do Adolescente completa 30 anos nesta segunda (13)
VISUALIZAR
Rio Grande do Norte
Alagamento na Rota do Sol não é responsabilidade da Caern, disse a companhia
Alagamento na Rota do Sol não é responsabilidade da Caern, disse a companhia
VISUALIZAR
Pandemia
Pandemia acelera cortes e redução de funcionários da Petrobras
Pandemia acelera cortes e redução de funcionários da Petrobras
VISUALIZAR
Futebol
ABC treina em Salvador (BA) antes de volta da Copa do NE
ABC treina em Salvador (BA) antes de volta da Copa do NE
VISUALIZAR
Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )