Portal Correio do Agreste - A serviço do povo!

Notícias Mundo

Onda de violência deixa mais de 30 mortos na África do Sul

Protestos e saques começaram após a prisão do ex-presidente Jacob Zuma. Manifestações começaram na sexta, e atos de violência se espalharam por Joanes

Onda de violência deixa mais de 30 mortos na África do Sul
Membros do exército em frente a caixas automáticos danificados do lado de fora de um banco em Soweto, na África do Sul, em 13 de julho de 2021 — Foto: Siphiwe Sibeko/Reuters
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Ao menos 32 pessoas morreram na África do Sul em meio a protestos e saques que começaram após a prisão do ex-presidente Jacob Zuma. Mais de mil pessoas já foram detidas.

Manifestantes entraram em confronto com a polícia em várias áreas do país e shopping centers foram saqueados nesta terça-feira (13), na pior agitação popular do país em anos. Os comércios fecharam as portas.

Militar mantém guarda próximo a suspeitos de saque do lado de fora do shopping Diepkloof, em Soweto, nesta terça (13), após à prisão do ex-presidente sul-africano Jacob Zuma — Foto: Siphiwe Sibeko/Reuters

Foram 26 mortos na província de Kwazulu-Natal, segundo o primeiro-ministro regional, Sihle Zikalala. Outras seis pessoas perderam a vida em áreas próximas a Joanesburgo, segundo o presidente Cyril Ramaphosa.

Ele chamou os saques de "atos oportunistas de criminalidade" e, em meio à onda de violência, convocou o Exército para conter distúrbios (veja no vídeo abaixo).

Os primeiros incidentes, com estradas bloqueadas e caminhões incendiados, aconteceram na sexta-feira (9), um dia após o ex-presidente se entregar à Justiça.

 
 
Os primeiros incidentes, com estradas bloqueadas e caminhões incendiados, aconteceram na sexta-feira (9), um dia após o ex-presidente se entregar à Justiça.

Os atos de violência se espalharam por Joanesburgo no fim de semana, e na madrugada desta terça continuaram principalmente em Soweto, a oeste da cidade.

A prisão de Zuma parece ter catalisado uma insatisfação popular com o impacto econômico da pandemia. O desemprego atingiu um novo recorde de 32,6% no começo de 2021.
Trabalhador em uma loja saqueada em Soweto, na África do Sul, em 13 de julho de 2021, em meio a protestos desencadeados após a prisão do ex-presidente Jacob Zuma — Foto: Siphiwe Sibeko/Reuters

Trabalhador em uma loja saqueada em Soweto, na África do Sul, em 13 de julho de 2021, em meio a protestos desencadeados após a prisão do ex-presidente Jacob Zuma — Foto: Siphiwe Sibeko/Reuters

 

Zuma condenado

 

Jacob Zuma, que tem 79 anos, foi condenado a 15 meses de prisão por desacato à Justiça, após se negar a comparecer a uma comissão anticorrupção.

 

O ex-presidente compareceu apenas uma vez diante da comissão e ignorou várias convocações posteriores. Ele alegava razões médicas ou que estava preparando sua defesa para outros casos.

Jacob Zuma, ex-presidente da África do Sul, comparece ao Supremo Tribunal em Pietermaritzburg em 15 de outubro de 2019 — Foto: Michele Spatari/Pool via AP

Jacob Zuma, ex-presidente da África do Sul, comparece ao Supremo Tribunal em Pietermaritzburg em 15 de outubro de 2019 — Foto: Michele Spatari/Pool via AP

Zuma enfrenta várias acusações de fraude, corrupção e crime organizado relacionadas à compra de equipamentos militares de cinco empresas europeias de armamento, em 1999, quando era vice-presidente do país.

Ele depois foi presidente da África do Sul, entre 2009 e 2018, e renunciou em meio a uma série de escândalos (veja no vídeo abaixo).

Ele só deixou o cargo após pressão do seu partido, o Congresso Nacional Africano (ANC, na sigla em inglês), o mesmo de Nelson Mandela.

LEIA TAMBÉM: Veja a trajetória de Jacob Zuma, da luta contra o Apartheid aos escândalos de corrupção

 

FONTE/CRÉDITOS: G1
Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!