Portal Correio do Agreste - A serviço do povo!

Diretora da Petrobras defende reinjeção de gás: ‘Não falta infraestrutura’

Brasil reinjeta 45% da produção Enquanto importa gás natural Adriano Pires refuta a Petrobras Argentina tem o dobro de dutos
Diretora da Petrobras defende reinjeção de gás: ‘Não falta infraestrutura’

OUVIR NOTÍCIA

A diretora de refino e gás natural da Petrobras, Anelise Lara, defendeu nessa 5ª feira (25.jun.2020) a reinjeção de gás natural em poços de exploração do pré-sal. Ela afirmou ainda que não há falta de infraestrutura para o escoamento do gás.

“Não falta infraestrutura hoje para disponibilizar o gás do pré-sal. Muito dessa crítica vem associada à questão de que parte desse gás que produzimos é reinjetado. E que se tivesse infraestrutura, esse gás poderia ser comercializado”, disse em webinar promovido pelo IBP (Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis).

A falta de gasodutos para escoar a produção é um dos fatores que faz com que 45% do gás produzido no Brasil em abril fosse reinjetado. O país reinjeta mais combustível do que oferta ao mercado. Enquanto isso, importa gás por não conseguir atender à demanda interna.

O Brasil tem apenas 9.400 quilômetros de gasodutos. A Argentina, os EUA e a Europa têm, respectivamente, 16.000 km, 497 mil km e 200 mil km de dutos. Não há, no entanto, uma estratégia no curto e médio prazo para ampliar a malha brasileira.

Veja 1 resumo do que disse a diretora da estatal:

  • Mais petróleo – diz que a reinjeção permite a produção de bilhões de barris de petróleo a mais no pré-sal. De maneira simplificada, isso ocorre porque o faz aumentar a pressão dentro do reservatório submarino e as plataformas assim conseguem extrair mais óleo;
  • Há infraestrutura – Anelise Lara afirma que não falta infraestrutura hoje para disponibilizar o gás natural do pré-sal. Não explicou o que deseja dizer exatamente nem tratou da conjuntura atual em que o Brasil tem menos gasodutos do que a Argentina;
  • Mais CO2 – o gás do pré-sal é reinjetado por ter mais CO2 que a média. Seria ruim para a atmosfera a ventilação desse insumo;
  • Gasodutos aumentam produção – a operação de novos gasodutos em obras vai permitir 1 aumento na produção e oferta de gás para o mercado, mas Anelise Lara defende a reinjeção para recuperar os campos;
  • Importação longe de acabar – novos blocos exploratórios ainda precisam passar por diversas fases antes de serem explorados, por isso o Brasil deve seguir importando mais do que produzindo gás por muitos anos ainda;
  • Custo alto – os custos no Brasil para produzir gás ainda são muito superiores aos de outros países, como os EUA, por ser atrelado ao preço do petróleo;
  • Redução no preço – houve redução de 36% no preço do gás no Brasil (em dólares). Com a queda do petróleo, chegou ao patamar de US$ 6 por milhão de BTU;
  • Nova regulação – 1 ambiente regulatório mais robusto, com regras claras vai aumentar o apetite pelo gás. A regulamentação do Novo Mercado de Gás e da Nova Lei de Gás vão nessa direção.

A executiva defende a reinjeção para melhorar a produção de petróleo. Quando se explora 1 poço de petróleo, são extraídos óleo e gás juntos, mas grande parte do gás é reinjetada de volta.

Isso ocorre pela falta de gasodutos suficientes no país para escoar e vender essa produção e também porque permite aumentar a pressão dentro do poço, o que eleva o fluxo de retirada de petróleo. Anelise usa esse argumento para defender que o gás não seja comercializado.

“Tem o potencial de aumentar a produção de 10 a 15 pontos percentuais. São bilhões de barris de petróleo que podem ser produzidos a mais se considerarmos esses campos. Obviamente, não podemos abrir mão dessa riqueza”, declarou.

O sócio-fundador e diretor do CBIE (Centro Brasileiro de Infra Estrutura), Adriano Pires, refuta o argumento de que não há carência de infraestrutura no setor. Para ele, se a afirmação da executiva da Petrobras fosse totalmente verdadeira, a participação do gás na matriz energética brasileira não estaria estagnada há mais de uma década.

“Só tem falta. Se tivesse infraestrutura você hoje teria uma participação do gás na matriz energética superior a 13%. Esse número é o percentual que permanece aí nos últimos 15 anos. Para aumentar mercado de gás no Brasil, precisa de infraestrutura”, disse Pires, que é doutor em Economia Industrial pela Universidade Paris 13.

Ele afirma que é preciso fugir dos extremos no debate sobre o gás natural. Isso porque, de fato, a reinjeção aumenta a produtividade de campos de petróleo. Mas isso tem limites. Segundo ele, cada poço tem uma quantidade ideal de gás que pode ser reinjetado. Depois desse ponto, não há mais ganho.

É esse excesso que ele defende que deve ser disponibilizado para o mercado. Encontrando-se 1 meio termo, no qual os produtores de óleo teriam seus ganhos e a população pudesse utilizar do gás presente no país.

“A gente precisa encontrar o número correto de reinjeção e o gás que sobrar trazer para ser usado. Qual volume de gás você precisa usar para que isso aconteça, é 100%? Eu acho que não”, completou.

Segundo relatório divulgado nesta 5ª feira (25.jun) pelo Ministério de Minas e Energia, 56 milhões de m³ de gás natural foram reinjetados por dia em maio. Isso corresponde a 45% da produção nacional. O valor é superior também à oferta diária de gás ao mercado, que é de 45,6 milhões de m³. Eis a íntegra do documento (3 MB).

Depois de dizer que não há a necessidade de infraestrutura no setor, Anelise Lara diz que a entrada de novos gasodutos como o Rota 3 vai permitir que se amplie a oferta e a produção no Brasil.

“A entrada do [gasoduto] Rota 3 vai permitir, junto com a entrada dos projetos de Búzios, 1 aumento na produção e oferta de gás para o mercado. Mas a reinjeção de gás tem que continuar, porque é positiva para o aumento de recuperação dos campos. Não cabe aqui falar que falta infraestrutura neste momento, considerando os projetos já em produção.”

Ela também declara que a reinjeção ocorre por conta do teor de CO2 do gás do pré-sal, maior do que a média. Por isso, devolvê-lo para debaixo da terra evitaria que ele fosse solto na atmosfera. Outra vez, se houvesse a infraestutura necessária para transportar o gás, não seria preciso soltar ou queimá-lo.

Pires afirma que, apesar da afirmação ser real, cada campo de extração tem seu teor de CO2. Dessa forma, alguns teriam que injetar mais gás e outros, menos.

Por isso, continua, seria preciso ter uma malha mais bem preparada de infraestrutura para receber esse excedente e impulsionar o mercado no país. O trabalho de aumentar a pressão dos poços poderia ser feito com água, por exemplo.

 

 

Além da perda para a população, que não tem acesso a uma energia potencialmente mais barata, o governo também sai perdendo. Isso porque o gás que é reinjetado nos campos não gera royalties.

Abegás (Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado) estima que, para o volume reinjetado chegar ao mercado, é necessário investimento da ordem de US$ 19,5 bilhões.

No Congresso, segue travada a proposta de criação de 1 fundo para financiar a construção de dutos, o Brasduto (Fundo de Expansão dos Gasodutos de Transporte e de Escoamento da Produção). O PL 3.975/2019, já aprovado na Câmara, passou por uma comissão do Senado e agora precisa ir à análise do plenário.

A diretora da Petrobras diz que o preço para produzir gás no país ainda é muito superior ao de outros países. Anelise insiste que o Brasil seguirá ainda muitos anos sendo mais importador de gás do que produtor.

“Novos blocos exploratórios que foram adquiridos ainda precisam passar por fase exploratória, certificação, declaração de  comercialidade, investimentos necessários para infraestrutura e a decisão estratégica de definição da melhor viabilidade técnica e econômica. Por isso, acreditamos que esse balanço importador ainda vai ser uma realidade para o país durante muitos anos.”

Desde 2006, o Brasil já importou 101,3 bilhões de metros cúbicos de gás natural. Nesse período, reinjetou volume muito maior desse combustível nos poços do pré-sal.

O quadro abaixo indica que a importação de gás custou US$ 24 bilhões ao Brasil desde 2006:

A executiva explica que os custos são maiores no Brasil pelo preço do gás estar atrelado ao do petróleo –o que, por outro lado, levou a uma redução de 36% do preço em 2020. Chegou ao patamar de U$ 6 por milhão de BTU. Nos EUA, o custo é de U$ 2 por milhão de BTU.

“Essa não é nossa realidade no Brasil. Principalmente porque os custos para produzir nosso gás, que está associado ao petróleo, são muito maiores”, afirmou.

Para resolver esse problema e aumentar o apetite de investidores no mercado, ela diz que uma regulação robusta e com regras claras seria necessária.

“É claro que 1 ambiente regulatório mais robusto, com regras claras e que efetivamente promovam 1 mercado mais dinâmico e competitivo, contribuem para a mitigação dos riscos percebidos pelas empresas. E vai aumentar o apetite dessas companhias. Para mim, a regulamentação das novas diretrizes elaboradas no Novo Mercado de Gás e a Nova Lei do Gás caminham nessa direção.”

O governo do presidente Jair Bolsonaro tem rejeitado propostas para investir dinheiro público nesse tipo de infraestrutura (construção de gasodutos).

A equipe econômica defende o chamado “novo mercado de gás”, num modelo em que tudo teria de ser feito com dinheiro privado. O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse no 1º ano da atual administração que o custo do gás natural cairia até 40%, o que não aconteceu até agora.

Depois de anos travado na Comissão de Minas e Energia, o projeto de Lei 6.407 de 2013 foi aprovado em outubro de 2019 no colegiado. O texto altera as normas dispostas na Lei 11.909 de março de 2019, que determina as regras para o mercado de gás natural no país.

O texto seguiu agora para análise de outras 3 comissões da Câmara. Passará pela Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços; Comissão de Finanças e Tributação; e Comissão de Constituição e Justiça. A última movimentação da matéria, entretanto, foi em novembro de 2019. Está parada na Câmara desde então.

O principal problema, segundo Adriano Pires, é que o Brasil reinjeta mais do que de fato importa de outros países. Como o mercado é dinâmico, os preços podem subir inadvertidamente e o país se ver dependente de uma fonte cara de energia.

No quadro a seguir há uma descrição de como se divide o mercado de gás natural no Brasil. Em 2019, a oferta do combustível teve 69% originado no Brasil e 21% vindo da Bolívia.

Fonte

poder 360

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

BRASIL
Estatuto da Criança e do Adolescente completa 30 anos nesta segunda (13)
Estatuto da Criança e do Adolescente completa 30 anos nesta segunda (13)
VISUALIZAR
Rio Grande do Norte
Alagamento na Rota do Sol não é responsabilidade da Caern, disse a companhia
Alagamento na Rota do Sol não é responsabilidade da Caern, disse a companhia
VISUALIZAR
Pandemia
Pandemia acelera cortes e redução de funcionários da Petrobras
Pandemia acelera cortes e redução de funcionários da Petrobras
VISUALIZAR
Futebol
ABC treina em Salvador (BA) antes de volta da Copa do NE
ABC treina em Salvador (BA) antes de volta da Copa do NE
VISUALIZAR
Pandemia
Lockdown e desigualdade social: os desafios da interiorização da pandemia do novo...
Lockdown e desigualdade social: os desafios da interiorização da pandemia do novo coronavírus no Rio Grande do Norte
VISUALIZAR
COVID 19
Curva da Covid sugere imunidade maior e segunda onda menos provável
Curva da Covid sugere imunidade maior e segunda onda menos provável
VISUALIZAR
Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )