Portal Correio do Agreste - A serviço do povo!

Cármen Lúcia pede que Supremo julgue queixa contra Bolsonaro por genocídio

A ministra do STF Cármen Lúcia fez referência ao julgamento para avaliar se a Procuradoria-Geral da República deve ou não abrir um inquérito para inve
Cármen Lúcia pede que Supremo julgue queixa contra Bolsonaro por genocídio
Cármen Lúcia e Luiz Fux, ministros do STF (Foto: Agência Brasil)

OUVIR NOTÍCIA

 A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia pediu que o presidente da Corte, Luiz Fux, marque julgamento de uma notícia-crime contra Jair Bolsonaro por suspeita de genocídio contra indígenas na pandemia do coronavírus. A ideia do STF é avaliar se a Procuradoria-Geral da República (PGR) deve ou não abrir um inquérito para investigar Bolsonaro por sua conduta ao vetar trecho de lei para assistência a indígenas durante a maior crise sanitária, que previa garantia de fornecimento de água potável e insumos médicos. 

O procurador-geral, Augusto Aras, já se manifestou contra a abertura do inquérito - o chefe da PGR foi indicado por Bolsonaro ao cargo sem estar na lista tríplice do Ministério Público. 

Após pedido do ministro Edson Fachin, o caso foi remetido ao plenário comum do Supremo. "A manifestação do senhor ministro sobre a questão posta será oportunamente apresentada, quando da prolação de seu voto", disse o gabinete de Fachin em resposta ao portal UOL.

A queixa-crime foi apresentada pelo advogado André Barros. De acordo com a defesa dele, feita pelo advogado Luís Maximiliano Telesca, os crimes de genocídio não afetam somente os indígenas, mas a toda a população. 

"O presidente da República buscou, de maneira concreta, que a população saísse às ruas, como de fato saiu, para que contraísse rapidamente a doença, sob a falsa informação da imunização de rebanho", afirmou Telesca na sexta-feira (9), em petição ao Supremo.

De acordo com o jurista Lenio Streck, doutor em direito e professor da Unisinos, se o STF decidir que o inquérito deve ser aberto, é possível que o próprio tribunal assuma a investigação, a exemplo do que ocorreu no polêmico "inquérito das fake news". "O inquérito, me parece, pode ser aberto pelo STF. Provavelmente se fará a análise da atipicidade [se houve crime ou não]", disse.

Outro lado

O procurador Augusto Aras defendeu o ato de Bolsonaro ao vetar o repasse de insumos aos indígenas alegando não havia indicação de orçamento para isso, o que viola a Constituição.

"O que o noticiado [Bolsonaro] fez, portanto, foi cumprir o seu dever de vetar parcialmente projeto de lei. Caso não agisse assim, poderia ser responsabilizado", disse.

Fonte

247

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

Esportes
Escola de futebol de Natal lança programa de intercâmbio para jovens
Escola de futebol de Natal lança programa de intercâmbio para jovens
VISUALIZAR
BRASIL
INSS fará bloqueio de pagamentos de quem não fizer prova de vida
INSS fará bloqueio de pagamentos de quem não fizer prova de vida
VISUALIZAR
Rio Grande do Norte
Fátima Bezerra solicita ao Ministério da Saúde insumos para kit intubação e equipamentos...
Fátima Bezerra solicita ao Ministério da Saúde insumos para kit intubação e equipamentos hospitalares
VISUALIZAR
NATAL RN
Entrega de moradias em Natal é marcada por confronto entre manifestantes e polícia
Entrega de moradias em Natal é marcada por confronto entre manifestantes e polícia
VISUALIZAR
Economia
Caixa antecipa segunda parcela do auxílio emergencial
Caixa antecipa segunda parcela do auxílio emergencial
VISUALIZAR
Futebol
Tite exalta liderança de “veteranos” Thiago Silva e Daniel Alves
Tite exalta liderança de “veteranos” Thiago Silva e Daniel Alves
VISUALIZAR
Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )