Portal Correio do Agreste - A serviço do povo!

AREZ RN: VERSÃO DO MÉDICO DR CEZANNE NUNES, COM GRAVAÇÃO COMPLETA AO PORTAL CORREIO DO AGRESTE

Interior do RN

AREZ RN: VERSÃO DO MÉDICO DR CEZANNE NUNES, COM GRAVAÇÃO COMPLETA AO PORTAL CORREIO DO AGRESTE

Caso tem gerado grande repercussão no município de Arez

IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Após matéria vinculada na manhã deste sábado, 09 de outubro por este portal, em relação ao caso que vem sendo repercutido na cidade de Arez, conseguimos contato com o médico Dr. Cezanne Augusto Nunes Tomaz, para ouvir sua versão sobre o fato. Na oportunidade, o mesmo relatou sua versão, contando todo o ocorrido, da mesma forma em que relatou no boletim de ocorrência.

Ouça gravação completa abaixo:

Dr. Cezanne relata que na tarde do dia 28 de setembro por voltas das 16:30 estava de plantão no hospital Dr. Juca, município de Arez quando foi informado pela recepcionista a qual relatou; “Dr. tem duas pessoas querendo falar com o senhor”.  O mesmo (Dr. Cezanne) perguntou quem eram e ela respondeu; é um tal de Higor. Ao chegar ao consultório foi abordado por dois homens que se identificaram como sendo representante legal da empresa MC Soluções, o Sr. Higor Rafael e Marcelo, os quais informaram que ganharam o certame e começariam as atividades dia 01/10/2021.

Segundo Dr. Cezanne, foi quando percebeu que passaria por outra intimidação e ameaças de perder seus plantões no hospital. “Usando o instinto de defesa iniciei a gravação da conversa, sabendo que seria a única forma de provar o transtorno e desestabilização emocional que iria sofrer naquele momento. Logo após a apresentação, Higor Rafael começou a intimidação afirmando que a carga horaria seria modificada, usando o seguinte discurso; Eu já conversei com a secretária e algumas modificações nós vamos fazer na escala, querendo permanecer você terá terça e sexta, e já vem outro médico no sábado.” Afirmou Dr. Cezanne

Ao ser questionado sobre o motivo desta alteração, ele deu a seguinte resposta; “O motivo é porque a gente tem o certame e temos os médicos da empresa, entendeu? E teve o problemazinho dessas suas 40 horas que você vai ver sua questão com administração do município. Entretanto, posteriormente ele (Higor) comunica que vou permanecer com mais de 90%, acho que eu vou tirar só os sábados; ou seja, a vítima (Dr. Cezanne) seria o único médico da escala que sofrerá redução, os demais médicos plantonistas continuaram com a mesma escala.

Diante disso, a vítima informou que era funcionário concursado como médico plantonista e que cumpre a carga horária de 40 horas na forma de plantões. Além disso, tem decisões judiciais que garantem esse direito.

Que Higor e Marcelo continuaram com as intimidações; Logo após a vítima relatou que o prefeito e o procurador do município tem conhecimento das decisões, pois a vítima já tinha ido a prefeitura para conversar com os dois, sendo assim, fez o questionamento com Higor, perguntando se decisão liminar (decisão judicial) se cumpre ou descumpre e para seu espanto, apesar de todas as explicações da vítima informando ser um profissional efetivo e que tendo várias decisões judiciais que garantes a legitimidade do exercício do seu trabalho, mesmo assim as ameaças continuaram e Higor afirmou; seu vínculo como plantonista não será mais com a prefeitura, vai ser com a empresa, e se o senhor tiver interesse, entendeu? A vítima conclui que a empresa, através de seu representante legal relatou que poderia lhe demitir do serviço público, pois tiraria seus plantões a qualquer momento; Assim sendo, a vítima deixa claro a sua indignação, revolta e tristeza com o tratamento recebido, um servidor público que trabalha no município há 11 anos e que desde o início da pandemia da covid-19 arrisca sua vida e dos seus familiares com o objetivo de preservar a saúde e a vida dos aresenses.

Além do fato narrado acima por Dr. Cezanne, o mesmo afirma sobre sua convocação para dar esclarecimentos na câmara municipal, bem como sobre o ofício que recebeu em nome da secretária de Saúde. Dr. Cezanne frisou ainda a decisão proferida a favor Dele, visando obter que a autoridade impetrada (município) se abstenha de realizar qualquer redução nos proventos do impetrante (base + vantagens), após a liminar a juíza em decisão confirmou a liminar proferida em seu favor.

O Portal Correio do Agreste também conseguiu contato com o representante da empresa MC SOLUÇÕES, que também trará sua versão, e será exposta por este Portal. 

Acompanhe liminar;

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

Vara Única da Comarca de Arês

Praça Getúlio Vargas, 188, Centro, ARÊS - RN - CEP: 59170-000

Processo:  0800217-32.2019.8.20.5136

IMPETRANTE: CEZANNE AUGUSTO NUNES TOMAZ

IMPETRADO: MUNICIPIO DE ARES

 

                          DECISÃO                             

 

Trata-se de Mandado de Segurança, ajuizado pelo impetrante em epígrafe contra o Município de Arês, visando obter, já em sede liminar, que a autoridade impetrada se abstenha de realizar qualquer redução nos proventos do impetrante (base + vantagens). Juntou documentos.

Notificado para prestar informações, a autoridade coatora se pronunciou alegando, em síntese, que o autor não cumpre sua carga horária, apenas labora em regime de plantão.

É o breve relatório.

Decido acerca do pedido liminar.

O art. 7º, III, da Lei 12016/2009 traz o permissivo legal para a concessão de liminar, desde que presente fundamento relevante (de fato e de direito= verossimilhança) e risco de ineficácia da medida, caso só venha a ser concedida ao final (perigo da demora).

Além dos requisitos afirmativos acima, não podem se afigurar presentes os óbices previstos no art. 7º, § 2º, da Lei 12.016/2010 (Não será concedida medida liminar que tenha por objeto a compensação de créditos tributários, a entrega de mercadorias e bens provenientes do exterior, a reclassificação ou equiparação de servidores públicos e a concessão de aumento ou a extensão de vantagens ou pagamento de qualquer natureza.)

No caso dos autos, a análise da prova documental apresentada em cotejo com os diplomas legislativos de regência, ampara o juízo de verossimilhança favorável à pretensão liminar apresentada e, de igual modo, observa-se presente o risco de ineficácia do provimento futuro, eis que se trata de verba alimentar, aparentemente suprimida de forma arbitrária pelo Município.

É de se ressaltar que, eventual descumprimento dos deveres legais dos servidores municipais devem ser apurados mediante Processo Administrativo próprio, com o exercício do contraditório e ampla defesa.

Pelo acima exposto, forte no art. 7°, III, da Lei 12.016/2009, contrario sensu, concedo ordem liminar, determinando que a autoridade coatora se abstenha de realizar qualquer redução nos proventos do impetrante, restabelecendo seu salário base, devendo cumprir a presente ordem no prazo de 15 (quinze) dias, contados de sua notificação pessoal sobre os termos da presente decisão, sob pena de, não atendendo a determinação judicial, haja a extração de peças e encaminhamento para o Ministério Público promover a ação penal pertinente, bem como incidência de multa diária de R$ 500,00 (quinhentos reais).

Publique-se. Intime-se. Cumpra-se.

Considerando que já foram prestadas as informações pelo impetrado, intime-se a parte autora para se manifestar acerca da contestação e documentos anexados, no prazo de 15 (quinze) dias.

Decorrido o prazo acima, abra-se vista ao MP para opinar no prazo de 10 dias, concluindo para sentença, tão logo, expirado o prazo do MP, com ou sem parecer – atento a prioridade legal prevista no art. 7º, § 4º da Lei 12016/2009.

ARÊS /RN, 5 de fevereiro de 2020

 

MARIA CRISTINA MENEZES DE PAIVA VIANA

 Juiz(a) de Direito

(Documento assinado digitalmente na forma da Lei n°11.419/06)

Comentários:

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!