Portal Correio do Agreste - A serviço do povo!

Quarta-feira, 19 de Junho de 2024
JATOBÁ
JATOBÁ

Rio Grande do Norte

Nova tecnologia da UFRN promete melhorar tratamento para esquizofrenia

Pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) desenvolveram uma tecnologia

Portal Correio do Agreste
Por Portal Correio do Agreste
Nova tecnologia da UFRN promete melhorar tratamento para esquizofrenia
Compósito funciona aprisionando uma droga chamada olanzapina, que é usada no tratamento da esquizofrenia | Foto: Cícero Oliveira/UFRN
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) desenvolveram uma tecnologia com impactos na área da química e da medicina que busca melhorar o tratamento das pessoas diagnosticadas com esquizofrenia. A carta-patente foi expedida na última terça-feira (9), pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

Tremores, agitação, dificuldade de dormir, sonolência, vertigem, perdas na função sexual e ganho de peso são alguns dos efeitos colaterais da medicação contra a esquizofrenia que causam impacto negativo direto no cotidiano e na qualidade de vida dos pacientes. Foi para mudar esse panorama que Sibele Berenice Castellã Pergher, Artur de Santana Oliveira e Ana Clécia Santos de Alcântara, cientistas vinculados à UFRN, desenvolveram o produto patenteado.

A tecnologia é um material compósito, formado à base de argila e dois biopolímeros. Em virtude dessa junção, os autores denominaram o invento de bionanocomposito – os materiais compósitos são, em sua essência de formação, heterogêneos, pois são compostos por dois materiais diferentes com propriedades complementares.

Publicidade

Leia Também:

Coordenadora da equipe, Sibele Pergher explica que o compósito funciona aprisionando uma droga chamada olanzapina, que é usada no tratamento da esquizofrenia. Com esta possibilidade, os cientistas conseguiram controlar a liberação da olanzapina no organismo. Com esse domínio, o tratamento tende a ser mais eficiente, pois a droga será liberada exatamente no lugar em que o organismo deve absorver ela.

Depositada em 2016, sob o nome Bionanocompósito lpm-7 para liberação controlada de olanzapina a partir do argilomineral montmorillonita, a invenção tem a perspectiva de influenciar o cotidiano de quase 30 milhões de pessoas no mundo que convivem com a esquizofrenia. Como curiosidade, nenhuma delas nasceu assim, em um movimento que leva muitas vezes a uma sensação de que já não existem laços, alguém cortou, quando os sintomas começam a surgir, o que para a maioria ocorre entre os 12 e 30 anos de idade.

A concessão do grupo é a terceira da UFRN neste ano e ajuda a manter a Universidade como a instituição de ensino com mais cartas-patente nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. O posto é ocupado pela UFRN desde fevereiro de 2022, tendo sido reforçado pelas 14 concessões no ano de 2023, segunda melhor marca anual da Universidade em sua história.

FONTE/CRÉDITOS: Tribuna do Norte
Comentários:
REDECON
REDECON
REDEC
REDEC

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )