Portal Correio do Agreste - A serviço do povo!

Economistas dos bancos já empurram crescimento para 2021

A eventual aprovação da reforma da Previdência pelo Congresso Nacional não retomará
Economistas dos bancos já empurram crescimento para 2021
(Foto: ABr | Reuters)

OUVIR NOTÍCIA

A eventual aprovação da reforma da Previdência pelo Congresso Nacional não retomará o crescimento econômico em 2019 e as projeções para 2020 não são otimistas; "Por enquanto, o efeito é mais de confiança e expectativa de que algo concreto aconteça na economia", afirma Sergio Vale, economista-chefe da MB Associados

 A eventual aprovação da reforma da Previdência pelo Congresso Nacional não retomará o crescimento econômico em 2019 e as projeções para 2020 não são otimistas. A falta de proposta concreta para a geração de empregos e para o aumento do nível de consumo por parte do governo Jair Bolsonaro desmonta a tese de que a iniciativa privada é a força matriz para a expansão do PIB. Economia pode entrar em recessão já em 2019, com estimativas oficiais apontando crescimento abaixo de 1% para este ano. 

De acordo com Zeina Latif, economista-chefe da XP Investimentos, não há muito o que possa ser feito para acelerar a atividade no curto e médio prazos. "Todas as discussões que estamos tendo, como a reforma tributária, têm um caminho longo até ser aprovado e ter materialização disso na economia. Os frutos das reformas não vão aparecer rapidamente", afirma Zeina. "Isso significa que não vai ter efeito nenhum? Não, porque aumenta a confiança", complementa. Os relatos foram publicados pelo jornal Valor Econômico

Ela destaca o risco de o crescimento voltar a partir de um patamar muito baixo do PIB potencial. "Minha preocupação é que estamos com a economia com potencial de crescimento muito baixo, de 1% a 1,5%. Foram muitos anos de equívoco na política econômica, má alocação de recursos. Isso fragilizou a infraestrutura, mexeu com os preços relativos da economia. A crise prolongada também machuca o potencial. É como se fosse um paciente internado há muito tempo no hospital cuja musculatura vai ficando frágil", continua.

Sergio Vale, economista-chefe da MB Associados, também acredita que o impacto concreto das reformas prometidas pelo governo Jair Bolsonaro só será sentido a partir de 2021. 

"Por enquanto, o efeito é mais de confiança e expectativa de que algo concreto aconteça na economia", complementa. "Acho difícil piorar muito mais do que nos anos anteriores. O segundo semestre terá um efeito estatístico porque a base foi baixa. No ano passado, tivemos eleições conturbadas e a crise na Argentina, que afetou muito a produção industrial", diz.

Fonte

247

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

Política
OPOSIÇÃO DE AREZ SINALIZA QUE VAI CAMINHAR JUNTOS NAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS DE 2020
OPOSIÇÃO DE AREZ SINALIZA QUE VAI CAMINHAR JUNTOS NAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS DE 2020
VISUALIZAR
BRASIL
Moro e Dallagnol, cônsules dos EUA
Moro e Dallagnol, cônsules dos EUA
VISUALIZAR
BRASIL
Helicóptero cai na Baía de Guanabara
Helicóptero cai na Baía de Guanabara
VISUALIZAR
Policial
PRF apreende mais de 3 mil maços de cigarros contrabandeados no interior do RN
PRF apreende mais de 3 mil maços de cigarros contrabandeados no interior do RN
VISUALIZAR
Rio Grande do Norte
Ivermectina causou queda nos atendimentos por Covid em Natal, diz o médico infectologista
Ivermectina causou queda nos atendimentos por Covid em Natal, diz o médico infectologista
VISUALIZAR
Futebol
Neymar já teria acordo com PSG para liberação ao Barcelona
Neymar já teria acordo com PSG para liberação ao Barcelona
VISUALIZAR
Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )