Portal Correio do Agreste - A serviço do povo!

Com fracasso econômico de Guedes e Bolsonaro, número de famílias endividadas sobe e é o maior em 3 anos

Política recessiva do governo Jair Bolsonaro e estagnação da economia fez com que o número de famílias endividadas
Com fracasso econômico de Guedes e Bolsonaro, número de famílias endividadas sobe e é o maior em 3 anos
Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes. (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)

OUVIR NOTÍCIA

Política recessiva do governo Jair Bolsonaro e estagnação da economia fez com que o número de famílias endividadas alcançasse o maior patamar em três anos, segundo dados do BC. Taxa de endividamento em relação à renda acumulada em 12 meses chegou a 44,04%, maior nível desde abril de 2016 (44,2%). Segundo pesquisa da CNC, 64,1% das famílias brasileiras estavam endividadas em julho, maior percentual desde maio de 2013 (64,3%)

 A política recessiva adotada pelo governo Jair Bolsonaro fez com que o número de famílias endividadas alcançasse o maior patamar em três anos, segundo dados do Banco Central. De acordo com o levantamento, a taxa de endividamento em relação à renda acumulada em 12 meses chegou a 44,04%, maior nível desde abril de 2016 (44,2%). Uma outra pesquisa, feita pela Confederação Nacional do Comércio (CNC), aponta que 64,1% das famílias brasileiras estavam endividadas em julho, maior percentual desde maio de 2013 (64,3%). 

De acordo com reportagem do jornal Valor Econômico, em maio de 2018 taxa de endividamento chegou a 41,9%. Em abril de 2015, ápice da crise, este índice, que inclui o financiamento habitacional, chegou a 46,8%. Apesar do nível de endividamento crescente, a relação entre renda e inadimplência estão situados em patamares considerados estáveis pelo mercado. 

De acordo com os dados do BC, o comprometimento da renda usada para o pagamento de dívidas, incluindo as ligadas aos financiamentos imobiliários, estão em torno de 20% há quase dois anos. Já a inadimplência das pessoas físicas, tem variado 4,7% e 4,8%, depois ter passado boa parte de 2018 acima de 5%. Segundo a CNC, o comprometimento das famílias tem oscilado entre 29,5% e 29,9%.

De acordo com analistas, a precarização do mercado de trabalho, com o aumento da informalidade, juros elevados e o alto custo do spread bancário também contribuem para o aumento do endividamento das famílias brasileiras. 

"Um quinto das famílias já destina mais de 50% da renda para o pagamento de dívidas. É preciso mais emprego, mais renda, mais atividade para sustentar esse aumento no crédito, caso contrário poderemos ver um crescimento da inadimplência”, disse a economista da CNC Marianne Henson, à reportagem. 

Fonte

247

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

BRASIL
Ato organizado pela Gaviões da Fiel une torcedores de todos os times contra fascismo de...
Ato organizado pela Gaviões da Fiel une torcedores de todos os times contra fascismo de Bolsonaro
VISUALIZAR
Policial
SÃO JOSÉ DE MIPIBU: PRF PRENDE AUTOR DE ROUBO À ÔNIBUS INTERMUNICIPAL
SÃO JOSÉ DE MIPIBU: PRF PRENDE AUTOR DE ROUBO À ÔNIBUS INTERMUNICIPAL
VISUALIZAR
Rio Grande do Norte
Policial Militar que morreu vítima do coronavírus no RN tem pertences roubados no hospital
Policial Militar que morreu vítima do coronavírus no RN tem pertences roubados no hospital
VISUALIZAR
GRANDE NATAL
Superlotada, UPA na Grande Natal amanhece fechada por não conseguir receber mais pacientes,...
Superlotada, UPA na Grande Natal amanhece fechada por não conseguir receber mais pacientes, diz direção
VISUALIZAR
BRASIL
“A epidemia é uma doença social”, diz o filósofo Luiz Felipe Pondé
“A epidemia é uma doença social”, diz o filósofo Luiz Felipe Pondé
VISUALIZAR
Pandemia
Caminhos da Reportagem aborda rotina das crianças durante a pandemia
Caminhos da Reportagem aborda rotina das crianças durante a pandemia
VISUALIZAR
Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )