Portal Correio do Agreste - A serviço do povo!

Análise de ossadas de Perus prova que narrativa do governo é falsa

Com menos gente, grupo de trabalho segue ativo, mas contrato vai apenas até julho. E renovação depende do Executivo federal
Análise de ossadas de Perus prova que narrativa do governo é falsa
Renovação de contrato – até dezembro – aguarda a assinatura da ministra Damares Alves

OUVIR NOTÍCIA

São Paulo – O trabalho de análise e identificação das ossadas de Perus não foi interrompido, mas sua continuação está ameaçada, já que o contrato vai apenas até 31 de julho e depende de renovação, o que passa pelo governo federal. Aí reside o principal problema, pois o atual chefe do Executivo é um defensor da ditadura.

"O trabalho de identificação das ossadas produz as provas materiais de que a narrativa deste governo é falsa", diz Edson Teles, professor de Filosofia Política na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e responsável pelo Centro de Antropologia e Arqueologia Forense (Caaf) da instituição.

Um decreto do presidente da República desativou diversos conselhos sociais, mas a avaliação dos responsáveis pelo Grupo de Trabalho Perus, formado em 2014, é que o GTP mantém-se ativo, já que o contrato em vigência é resultado de um acordo firmado na Justiça Federal. "Por ser um acordo judicial, a gente entende que o GT está preservado", afirma Teles.

A criação desse grupo envolveu as secretarias nacional e municipal (em São Paulo) de Direitos Humanos, a Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos e a própria Unifesp, uma parceria que possibilitou a formação do Caaf. "O pessoal está trabalhando. A nossa preocupação é com a renovação desse contrato", observa o professor.

Segundo ele, de 1.047 caixas com ossadas encontradas em 1990 em vala clandestina do Cemitério Dom Bosco, em Perus, zona noroeste da capital paulista, falta analisar pouco mais de 80, a fim de concluir a primeira etapa do processo. Até agora, o trabalho permitiu identificar os restos mortais de dois desaparecidos políticos: Dimas Antônio Casemiro e Aluízio Palhano Pedreira Ferreira, ambos assassinados em 1971. Mais dois lotes com 100 amostras cada serão enviados ao laboratório, em maio e em julho.

Edson Teles

Teles, da Unifesp: cumprir objetivos de permitir que famílias enterrem seus mortos e de expor método criminoso ainda praticado
Atualmente, quatro peritos contratados trabalham na análise das ossadas em São Paulo, além de um perito fixo cedido pela Unifesp. Nesta segunda-feira (22), o governo estadual enviou mais dois funcionários. Já chegaram a ser 10 profissionais na ativa. Eventualmente, a tarefa conta com a colaboração do que o professor chama de peritos rotativos. O acordo judicial é o "trunfo" para garantir a manutenção dos trabalhos em um cenário desfavorável, como observa Teles: "Faz parte da narrativa desse governo negar essa história". No recente aniversário de 55 anos do golpe, o presidente defendeu que as unidades militares comemorassem a data.

Neste momento, a renovação do contrato – até dezembro – aguarda a assinatura da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves. O professor da Unifesp e responsável pelo Caaf lembra que o atual está sendo cumprido, mas a prorrogação está "no limite do tempo". Das outras partes envolvidas, incluindo a prefeitura paulistana, não haveria obstáculos.

Teles destaca três dimensões do trabalho desenvolvido a partir das ossadas de Perus: histórico, de recuperação da memória, ético, ao permitir que as famílias possam enterrar seus mortos, e político, ao desvendar um "método de ação" que permanece até hoje. "É possível verificar uma correspondência de estruturas e estratégias repressivas do Estado. É um trabalho de entendimento do que seja violência do Estado", afirma. Mortes, torturas e desaparecimentos foram marca daquele período e são práticas ainda comuns.

Fonte

RBA

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

NORDESTE
Pernambuco ultrapassa 3 mil mortes por Covid-19 e tem 36.463 casos confirmados
Pernambuco ultrapassa 3 mil mortes por Covid-19 e tem 36.463 casos confirmados
VISUALIZAR
NORDESTE
Número de óbitos por Covid-19 supera o de assassinatos no Ceará
Número de óbitos por Covid-19 supera o de assassinatos no Ceará
VISUALIZAR
NORDESTE
Agência bancária no Centro de Fortaleza é invadida e vandalizada por criminosos
Agência bancária no Centro de Fortaleza é invadida e vandalizada por criminosos
VISUALIZAR
Economia
Em dois meses, 107 milhões de brasileiros pediram auxílio emergencial
Em dois meses, 107 milhões de brasileiros pediram auxílio emergencial
VISUALIZAR
Saúde
Hospital das Clínicas pesquisa contato de funcionários com coronavírus
Hospital das Clínicas pesquisa contato de funcionários com coronavírus
VISUALIZAR
COVID 19
Covid-19: Jean, do Cruzeiro, testa positivo e inicia isolamento social
Covid-19: Jean, do Cruzeiro, testa positivo e inicia isolamento social
VISUALIZAR
Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )