Portal Correio do Agreste - A serviço do povo!

Erro na Linha: #14 :: Undefined offset: 0
/home/portalcorreiodoa/public_html/themes/news_2021/noticia-futebol.php

Erro na Linha: #14 :: Trying to access array offset on value of type null
/home/portalcorreiodoa/public_html/themes/news_2021/noticia-futebol.php

Erro na Linha: #15 :: Undefined offset: 0
/home/portalcorreiodoa/public_html/themes/news_2021/noticia-futebol.php

Erro na Linha: #15 :: Trying to access array offset on value of type null
/home/portalcorreiodoa/public_html/themes/news_2021/noticia-futebol.php

Futebol

Análise: Flamengo repete versões "médico e monstro" em roteiro que preocupa mesmo com vitória

Dificuldade para transformar superioridade em gols quando tudo vai bem faz com que equipe se desgaste para segurar resultado diante de oscil

Análise: Flamengo repete versões
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Um Flamengo que insiste em apresentar suas versões médico e monstro neste início do Brasileirão. E é exatamente isso que deixa o torcedor preocupado mesmo com as três vitórias em quatro partidas. Os 90 minutos contra o Fortaleza sintetizaram essa bipolaridade de quem é capaz de esboçar uma goleada e acabar sofrendo até o apito final.

Pegando como roteiro e performance, o 2 a 1 contra os cearenses lembrou muito o 3 a 2 para o Bragantino no último fim de semana. O Flamengo foi dominante boa parte do jogo, criou chances de gols aos montes, não matou e acabou pressionado por um adversário inferior tecnicamente - por mais que ambos sejam muito bem treinados.

O Flamengo de Rogério Ceni dá mostras de um time arrumado, capaz de se impor diante de qualquer adversário, mas que se vê sem saber o que fazer quando o outro time apresenta um antídoto. Foi assim quando Barbieri colocou uma linha de cinco para tirar profundidade no último sábado. Foi assim quando Vojvoda abriu mão de Tinga como terceiro zagueiro e puxou Pikachu mais para o meio-campo no intervalo na noite de quarta-feira.

Rogério Ceni na vitória sobre o Fortaleza, no Maracanã — Foto: Alexandre Vidal / CRF

A frieza das estatísticas mostra um Flamengo dominante com 62% de posse de bola e 19 finalizações. Realmente, foi um time que apresentou um volume de jogo absurdo, mas com uma oscilação muito grande do primeiro para o segundo tempo.

Flamengo x Fortaleza
Posse de bola: 62% x 38%
Finalizações: 19 x 10
Escanteios: 11 x 2
Faltas cometidas: 18 x 15
Passes trocados: 501 x 277
Acertos nos passes: 82% x 75%
Falando dos 45 minutos iniciais, o time de Rogério Ceni foi irrepreensível. Com marcação alta, deixava o Fortaleza atordoado na saída de bola e parecia um rolo compressor. Os dois gols de Bruno Henrique deram uma vantagem justa para um time soberano em campo e que merecia mais, vide chance claríssima perdida por Michael.

Na descida para o vestiário, a impressão era de que a vitória estava garantida e restaria ao Fortaleza evitar uma goleada. Não foi o que aconteceu, principalmente com o gol aos 14 segundos da etapa final.

Os visitantes entraram no jogo e o que se viu foi um segundo tempo equilibrado e com o Flamengo mais preocupado em não sofrer o empate do que em retomar as rédeas da partida. O desenho da partida até permitiu bons contra-ataques, Gerson e Matheuzinho chegaram bem próximo do terceiro gol, mas o Fortaleza foi perigoso até o fim.

Se a versão médico do Flamengo sofre para ser letal e construir vantagens que permitam uma vitória mais folgada, a versão monstro parece não dar brecha para que se tenha a tranquilidade necessária de ao menos controlar as ações. É emoção o tempo inteiro. Altos e baixos que não podem ser tão constantes para quem quer ser tricampeão.

 

 

FONTE/CRÉDITOS: Cahê Mota — Rio de Janeiro
Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!