Portal Correio do Agreste - A serviço do povo!

Segunda-feira, 20 de Maio de 2024
JATOBÁ
JATOBÁ

Geral

Finados e Vida Eterna

A morte não interrompe a vida, portanto o aprendizado não tem fim.

Momento de Reflexão com Paiva Netto
Por Momento de Reflexão com...
Finados e Vida Eterna
Devon Cunningham
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Dois de novembro é conhecido como dia dos mortos. Entretanto, na Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, o proclamamos como o Dia dos Vivos, porque os mortos não morrem!

Quando meus queridos e amados pais, Idalina Cecília de Paiva (1913-1994) e Bruno Simões de Paiva (1911-2000), e minha adorada irmã, Lícia Margarida de Paiva (1942-2010), faleceram, muito padeceu o meu coração. Contudo, prontamente comecei a entoar comovido colóquio com o Criador, amenizando a saudade e lhes transmitindo mensagens de paz e de gratidão. Logo senti que continuam vivos, porque os mortos não morrem! Costumo afirmar: quando se ora, a Alma respira, fertilizando a existência espiritual e humana. Fazer prece é essencial para desanuviar o horizonte do coração. Alziro Zarur (1914-1979), proclamador da Religião do Terceiro Milênio, ensinava que “Deus não nos criou para nos matar” e que “Não há morte em nenhum ponto do Universo”. Minha solidariedade, pois, aos que sofrem a aparente ausência de seus entes queridos. Mas estejam certos de que realmente os mortos não morrem! Um dia, todos haveremos de nos reencontrar.

“A morte não existe/ E a dor é uma ilusão do nosso sentimento”. Alentadoras palavras deixadas a nós pelo poeta português Teixeira de Pascoaes (1877-1952), coincidentemente nascido num “Dia de Finados”. Que Deus o tenha em bom lugar!

Publicidade

Leia Também:

A ocasião faz-me recordar o pronunciamento do papa João Paulo II (1920-2005), em 2 de novembro de 1983, ao se dirigir aos fiéis reunidos no Vaticano. Nele, Sua Santidade enfatiza que o diálogo com os mortos não deve ser interrompido: “Somos convidados a retomar com os mortos, no íntimo do coração, aquele diálogo que a morte não deve interromper. (...) Com base na palavra reveladora de Cristo, o Redentor, estamos certos da imortalidade da alma. Na realidade, a vida não se encerra no horizonte deste mundo (...)”. (Os destaques são meus.) 

Daí a importância de refletirmos acerca desse fato inexorável: existir é uma jornada infinita, ora aqui, na Terra, ora acolá, no Espaço. É compreensível que sintamos saudade dos que partiram, mas não nos devemos exceder em lágrimas, porque a nossa aceitável dor pode perturbar-lhes, no Plano Espiritual, a adaptação à nova conjuntura.

 

Lições do fenômeno inafastável

Dia virá em que alguns pensadores não mais prescindirão do confortador fato da Vida Eterna. Deveriam, sobretudo, elucubrar a respeito da morte e não procurar explicações unicamente materiais para um fenômeno irremovível que envolve o Espírito. Quando despertar no Outro Mundo, a surpresa para muita gente será enorme!

Há décadas, o sempre lembrado Zarur concluiu que Deus criou o ser humano de tal forma que ele só pode ser feliz praticando o Bem”. Razão por que necessária se faz a constância do Amor Solidário e do respeito à reta Justiça (que não se confunde com vingança), desde o coração da pessoa de pensamento mais refinado até o do ser mais simples, a fim de derruir a mentalidade esterilizadora do ódio. Ele vive a castrar o avanço não delituoso da civilização, que, nos tempos atuais, lançada à condição excessivamente carnal, sucumbe na irrealidade desesperadora.

 

Deus é Deus de vivos

A morte não é o término da existência humana. Você não acredita? Tem todo o direito. Mas, e se for verídico?! Premie-se, minha amiga, meu amigo, com o benefício da dúvida, base do discurso científico, que, graças à perquirição incessante, prossegue desbravando estradas novas para a humanidade.

Pondero ainda: você não é obrigado ou obrigada a crer na existência das Almas, apesar do fato de que você é Espírito mesmo agora, estando na carne, e o será amanhã, quando Dona Morte vier bater à sua porta, seja rei ou súdito, fiel ou sacerdote, enfermo ou médico, civil ou militar... Também não é forçada ou forçado a concluir que os entes espirituais possam dirigir-se aos seres terrestres, o que ocorre quando há Permissão Divina. Os livros sagrados das religiões — e hoje de diversos cientistas renomados — estudam a matéria e estão cheios de comprovações.

Contudo, minha Irmã, meu Irmão, sua descrença não significa que eles não existam ou que estejam condenados à mudez permanente.

Diz Jesus, o Divino Amigo, no Seu Evangelho, segundo Marcos, 12:27, e temos aqui enfatizado: “Deus é Deus de vivos, não de mortos. Como não credes nisso, andais muito enganados”.

É o Cristo quem está afirmando! Portanto, Deus não é morte. É vida. E Vida Eterna. Com isso, o próprio Mestre revelou que o Pai Celestial universalmente governa seres imortais.

A morte não interrompe a vida; portanto, o aprendizado não tem fim. Na Terra ou no Céu da Terra, prosseguimos trilhando o caminho da Eternidade.

Que a Paz de Deus esteja agora e sempre com todos! E vamos em frente, trabalhando, realizando e atuando com decisão, coragem, solidariedade, generosidade, porque Deus está presente para vivos, “mortos”, crentes e ateus!

 

José de Paiva Netto ― Jornalista, radialista e escritor.

[email protected] — www.boavontade.com 

 

FONTE/CRÉDITOS: Obra: Jesus e os anjos
Comentários:
Momento de Reflexão com Paiva Netto

Publicado por:

Momento de Reflexão com Paiva Netto

Lorem Ipsum is simply dummy text of the printing and typesetting industry. Lorem Ipsum has been the industry's standard dummy text ever since the 1500s, when an unknown printer took a galley of type and scrambled it to make a type specimen book.

Saiba Mais
REDECON
REDECON
REDEC
REDEC

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )